sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Resumo - O Alienista ( Tayana Silva )

  O Alienista, conto de Machado de Assis, conta a história de Simão Bacamarte médico-psiquiatra/psicólogo que monta sua clínica em Itaguaí, pequena cidade do interior do Rio de Janeiro.
  Dr. Bacamarte escolhe Itaguaí por apenas um motivo: focar seus estudos científicos no estudo da loucura, o tema central do livro. Depois de fuindar a chamada "Casa Verde" , Simão vai recolhendo os "loucos" da cidade, com sua primeira teoria mais "convencional" do que é loucura. Recolhe neuróticos, paranóicos, obsessivo-compulsivos, maníacos-depressivos, e outros nomes compridos. Porém o alienista revê sua teoria sobre o que é loucura.
  A partir de certo tempo, Bacamarte começa a recolher as pessoas para a Casa Verde por qualquer motivo. Qualquer defeito, qualquer falta de virtude era motivo para julgar maluco o sujeito e levá-lo ao cárcere. Uma pessoa egoísta, por exemplo, já era considerada "louca", pois não tinha o "perfeito equilíbrio das faculdades mentais". As pessoas de Itaguaí então começam a questionar: as pessoas estavam mesmo loucas? Ou louco, mesmo, é o próprio alienista?
  Uma revolta então é gerada em Itaguaí, liderada pelo barbeiro Porfírio, que prega a queda da Casa Verde, que já virou símbolo de terror do pequeno município interiorano.
  Após diversos debates, o futuro da Casa Verde é incerto. Para começar, Dr. Bacamarte, abdica o uso do dinheiro público para cuidar do manicômio, e cuida dele usando seu próprio dinheiro. Mesmo após o gesto honroso, diversar pessoas, juntos do barbeiro Porfírio, continuam protestando contra a Casa Verde, e fazem uma passeata em favor da derrubada da mesma. As forças armadas, porém, conseguem salvar a clínica e restituir o poder a Simão Bacamrte, que depois disso começa a rever suas teorias novamente. Afinal, é um homem da ciência, e esse é seu único objetivo de vida: definir a loucura; e não deixará o orgulho ficar em seu caminho. Objetivo e persistente, a única coisa com que Simão se importa é a sua causa.
  Na nova e "estranha" teoria de Dr. Bacamarte, ele percebe que a loucura é o contrário do que achava antes. Antes, um mero defeito já devia provar que a pessoa não era privilegiada do "perfeito equilibrio das faculdades mentais", egoísmo, orgulho, ganância, burrice, estupidez, violência, etc. Mas, Simão agora reflete, e diz que loucos são aqueles que não tem esses defeitos, e sim, agora uma ou mais virtudes em especial.
  Com esse pensamento, o Dr. começa a recolher as pessoas providas de certas virtudes, como dignidade, lealdade, sinceridade, moral, etc. Até os separa "por categorias" na Casa Verde, e os cura, gradualmente, deixando-os em equilíbrio, o que seria sem nenhuma virtude em especial nem nenhum defeito aparente.
  Tudo parece estar bem. Simão continua com seus estudos, e com uma súbita sensação de realização, percebe que sua teoria estava errada: afinal, se ele conseguiu curar os pacientes, eles nunca foram doidos, e sempre tinham o equilíbrio/desequilíbrio das faculdades mentais.
  Analisando bem, Bacamarte verifica que ele próprio é o único sadio e reto. Por isso, o sábio internou-se no Casarão da Casa Verde, onde morreu dezessete meses depois. Apesar do boate de que ele seria o único louco de Itaguaí, recebeu honras póstumas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário